Follow by Email

sábado, 20 de outubro de 2012

Requiem por mim

1-Introitus: Requiem aeternum

Petrificados plátanos saudam o cortejo, miserere mei, segue para a eterna noite, oh glórias vãs, poderes etéreos, interrompidas esperanças. Estão Giotto, Guariento, Vitale, a Sacra Via de  suplicantes à porta dos Céus, impotentes corpos  servidos em tarde pascal. Chove nas almas, descansam os corpos, morri no dia em que se morre.
2-Kyrie
Confesso. Não vivi, confesso. Aqui vou, deitado, eu que já não sou, nós que não seremos, a Matilde chora, preso neste corpo inerte, ah, um cipreste confortante, logo as almas sairão, fraternos patrulharemos angústias. E Deus, o velho existirá? Ficarei à sua direita? Faz frio, arrefece. Voltem, não vão já, não me deixem, egoístas, de volta para as vossas mortes diárias. É apertada a urna, falta  o ar. Cheira a flores, flores da morte.
3- Diez irae
Iniciam a viagem, Anúbis em silêncio maneja o remo, Matilde chora, bem vejo, porque levantaram o som, é o Inferno já perto, pela certa. E Jesus? Não está, regressou dos mortos, qual filme de Corman. São belos os quadros aqui, perfumados, olha, Brunelleschi, Fra Angelico, Donatello, Masaccio. Renascimento, lhe chamaram, todos mortos, porém. Quando parará a maldita barca?
4.Tuba mirum
Chegamos a um cais, miserere mei, misere mei, disformes embuçados carregam-me o caixão, será bom sinal? Vejo Matilde ao longe, acaricia-me em foto, porque não guiei mais devagar? É esquisita a morte, cheira a cera. Dois homens riem naquela margem, chegaram agora, novos, discípulos do Cancêr, guerreiro da Morte.
5.Rex tremendae
Mandam-me erguer do caixão, que aguarde, à volta retábulos, e dentro deles mortos, vivos, mortos-vivos, Van Eyck retoca um morto, e madonnas, muitas, florentinas, papais. Há vida também, caminhos para o Paraíso, olha a Vénus, Botticelli, Bellini, Verrochio. Corpos desnudados, a mim desnudam também, pecador corpo suplicando por um lugar. Sim, são cicatrizes, muitas, cataterismos, acidentes de mota, não foi por eles que cá estou.
Ei-lo, o Redentor. Altivo. Castigador. Existe! Afinal existe! É como nos filmes, velho como o mundo. E agora, ajoelho, choro, que faço? Tirem-me daqui, quero comer, quero os meus amigos, já sei, daqui a pouco vou acordar e rirei a bom rir. Não vejo a Matilde agora, está escuro, toda a luz  recai sobre o Velho.
7.Recordare
Sim, é verdade. Matei rolas, indefesas. Bati no Alcides, coitado. Pequei, pequei, pronto. Pecados mortais? Todos. Bem, todos não, nunca tive inveja  do Antunes, coitado, só do Porsche. E a mulher do Brás, foi ela que quis, a rameira...
8. Confutatis
Abrem uma porta, estou nu e faz frio. Pronto, pronto, como queiram, olha o Bellini, Leonardo. O Leonardo, Deus meu, desculpa, Deus tu, é o paraíso por certo, com Leonardo só pode ser o paraíso, espreito ao fundo, parece Sintra, há castelos, muitos anjos. Virarei anjo, sem sexo e com asas? Quando a Matilde me vir...
9.Lacrimosa
Passa um filme. Sou eu, é a minha vida. Olha, a avó Chica, tão frágil, o Zézito, coitado, morreu em África. Olha a Matilde, chora. O Velho nada diz, estuda-me, bem vejo. Deixem-me voltar, não sou daqui, nada valem, as minhas lágrimas? Afastem de mim este frio, tapem-me, torturem-me, mas deixem-me.
10.Domine Jesu
Afinal há mais gente. Chegou Jesus, o Nazareno. Como é magro e olheirento, carrega o sofrimento do mundo. Olha-me, acaricia-me a cara, segue pela esquerda agora, sumiu. O Velho hesita, começo a ficar conformado. Sempre há os quadros, Rafael, e mais Leonardos. Sublimes, imortais, perenes, serenos, gloriosos. Mandam que avance. É agora. Toca Mozart, ah! Wolfgang, estarás cá também, salvo da abjecta tumba onde te deitaram? Só podes estar. Volto a ver a Matilde, ao longe, está bela, a dor torna as pessoas mais belas.
11.Hostias
O Velho baixou um quadro. A avaliação está feita. Tenho medo, mas estou sereno. Oh, não pode, Michelangelo, a Capela Sistina, o camarote da Vida, será para mim?
12.Sanctus
Adão, Noé, Abraão, filhos de Israel, crianças do Darfur, os inocentes, estão cá todos. Vou entrar! Sanctus, Sanctus, acredito agora, desnudado entro, tocam tubas, repicam carrilhões, Matilde, Matilde, não chores, estava escrito. Olá, sou o Alberto, cheguei hoje, aleluia! aleluia!
13.Benedictus
A imagem some no ar, entrei! Não eram graves os pecados, choro e rio, oh catártico quadro onde afinal morrendo vivo. Oh triunfo de azul, azul de Céu, azul dos teus olhos, Matilde, azul do nosso mar, salgado, só nosso. Estás longe, cada vez mais longe, mas posso escutar-te a respiração, clara e próxima.
14.Agnus Dei
Apagam as luzes, qual passarola voo agora, criação de Michelangelo, em sistino paraíso sulco os Céus, rodeado de anjos, seráficos, louros da cor do ouro, barrocamente dourados.
15.Communio: lux eterna
Adeus, Matilde. Agora vivo para sempre. Fala de mim ao André, é lindo o nosso filho. E quando tiveres saudades, abre o livro grande da sala. Lá estou, celestial sentinela e redimida alma, criatura de Michelangelo.
Fecham a porta. Adeus, Matilde, até já…

Sem comentários:

Enviar um comentário