Follow by Email

sábado, 31 de agosto de 2019

Dia Internacional do Blogue


Hoje é o Dia Internacional do Blogue, comunidade de que faço parte, tendo eu até hoje produzido o Alagablogue e o Café com Adoçante (2005-2011) e O Reino de Klingsor, (desde 2011), http://reinodeklingsor.blogspot.com/além de gerir o Sintra Deambulada, com mais de 40 contribuidores. 

Segundo alguns trendsetters, o português do futuro preferirá causas e acções de protesto pontuais, e procurará amigos temáticos fruto de diversidade cultural. As pessoas estarão menos disponíveis para aderir por períodos muito longos a organizações fixas e preferirão actuar por impulso, vincando um individualismo em que é mais estimulante o que se passa na vida de cada um ou do seu núcleo de amigos do que o que se passa na sociedade. Isto coincide com o incremento da Internet e o fim do televisor único em casa, com vários aparelhos por habitação e a possibilidade de pré-escolher os programas e as horas a que passam, fazendo de cada um um programador de televisão.
Neste quadro, a oferta cultural tenderá para ser feita à medida, com um quadro social fragmentado e de nichos onde a visão de bloco tenderá a desaparecer. É a idade do indivíduo em rede.
O mundo dos blogues é hoje um hedonista mundo de silêncios gritados ou partilhados,onde virtuais activistas podem impor tendências, divulgar problemas, congregar causas, através da sua difusão, hoje alargada com a promoção permitida pelas redes sociais.
Os primeiros blogues surgiram em Dezembro de1997, através do conceito de Weblog, criado por Jorn Barger, a partir das palavras “web” (Internet) e “log” (registo). No entanto, segundo Dave Winer, o primeiro weblogue criado foi o primeiro web site, http://info.cern.ch/, criado por Tim Berners-Lee no CERN -European Organization for Nuclear Research. Esta página funcionava como um apontador, no qual Tim Berners-Lee referenciava os novos web sites que iam surgindo na World Wide Web. Posteriormente surgiram as páginas “What’s New” do NCSA- National Center for Supercomputing Applications e da Netscape. Nestas duas páginas “What’s New” já podemos encontrar duas características principais dos weblogues, a datação das entradas e a sua colocação por ordem inversa. Em 1996 e 1997 surgem os primeiros blogues pessoais como o Scripting News de Dave Winer, o Robot Wisdom de Jorn Barger, o Tomalak’s Realm ou o CamWorld.Em 1999, existiam 23 weblogues referenciados. Nesse mesmo ano, Peter Merholz defendeu que se deveria pronunciar “wee-blog”, por se tratar de um meio para comunidades. Este acontecimento acabou por conduzir à utilização “abreviada” da palavra “blog” e à referência do seu editor como o “blogger”.
A partir de 1999, o número de weblogues foi aumentando cada vez mais, sobretudo graças ao aparecimento de novas ferramentas de publicações de conteúdos, como o “blogger” da Pyra, que permitiram que qualquer pessoa, sem ter necessidade de quaisquer conhecimentos de HTML, pudesse ter o seu próprio blogue na Web, com o surgimento das ferramentas dos sistemas baseados na Web, como o Blogger e o Groksoup, lançados pela Pyra em Agosto de 1999.
Os blogues originais eram um misto de links, comentários e pensamentos pessoais. Com a entrada em cena do Blogger, em 1999, começaram a aparecer inúmeros blogues, actualizados várias vezes por dia, cujo tema central não eram os pensamentos do blogger ou blogueiro, mas sim, algo que ele tinha reparado no seu local de trabalho, notas sobre o seu fim-de-semana ou, por exemplo, reflexões sobre um determinado assunto. Os links dentro dos blogues levavam-nos para outros blogues, nos quais havia alguma referência ao tema abordado ou nos quais existia simplesmente também um link para o blogue de partida.
A diferença entre o conteúdo dos blogues originais, anteriores a 1999 e os blogues mais recentes, posteriores ao aparecimento do Blogger, fazem repensar o conceito e conteúdo dos blogues. E suscitam uma nova realidade: há ética e deontologia na comunidade blogueira (ou bloguista?). Não será um paradoxo alargar a comunicação refugiado na penumbra dum quarto ou na solidão de um sotão, clicando para o mundo?
Em minha opinião, são hoje uma importante ferramenta de suporte e congregação de sinergias para causas, valores e regiões. Em Sintra, como em todo o lado, pululam por aí, uns de crítica mordaz, outros de divulgação e outros até de promoção de actividades. Ao fim de alguns anos, e depois de me ter iniciado com o Alagablogue e o Café com Adoçante, a par de O Reino de Klingsor, tenho tentado criar um magazine de opinião através do Sintra Deambulada,e queria hoje salientar no panorama local o Rio das Maçãs, do activo e atento Pedro Macieirahttp://riodasmacas.blogspot.com/. Deontologia, afinidades, fontes ou interesses poderiam ganhar muito com o estreitar desta comunidade, talvez a mais efectiva rede de comunicação social local depois do ocaso da imprensa escrita ou a ausência de uma opinião publicada crítica e interventiva nesse espaço em vias de extinção

domingo, 18 de agosto de 2019

Querido mês de Agosto

A greve dos motoristas ainda não terminou mas é já um case study e suscita temas a discutir na próxima legislatura na Assembleia da República e na concertação social. A saber, qual a legalidade de greves por "tempo ilimitado", a figura da "suspensão da greve", o alcance dos "serviços mínimos", a "requisição civil preventiva" e os "mecanismos de mediação", numa ótica de proporcionalidade e defesa do interesse público. Por outro lado, a elaboração e promoção de um plano nacional de proteção civil que assegure a segurança e normalidade da circulação de pessoas e bens em momentos de crise, o papel das forças armadas e de segurança em conflitos laborais ou a menor dependência dos combustíveis fósseis e seus modos de distribuição, ponto fraco que permitiu a meia dúzia de empresas e cerca de 800 motoristas (quase) paralisar a economia. Não é admissível a redução de direitos, mas também o não é o alarme social que deixou o país durante uma semana de olho nas bombas de gasolina e na porta das refinarias, no quadro dum novo sindicalismo mais disruptivo e por isso menos dependente das lógicas políticas e ideológicas das atuais centrais sindicais.
Um ponto que sobressaiu de forma clara deste conflito, foi a constatação da forma como fora do quadro da função pública se desenvolvem ainda relações de trabalho na base de salários vergonhosos e escandalosa violação de direitos sem que as entidades fiscalizadoras intervenham de forma eficaz e dissuasora. O que fazem a ACT ou a Autoridade Tributária? Não podemos estar no século XXI com comportamentos do século XIX e leis do tempo do PREC, como este "querido mês de Agosto" provou à saciedade.