Follow by Email

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Sintra, 1 de Novembro de 1755



Amanhecia o dia 1 de Novembro e a Igreja celebrava a festa de Todos os Santos. Sábado sereno, sol claro e céu nimbado, findava o ano de 1755 e reinava tranquilo o senhor D. José. Cadenciados, os fiéis afluíam à missa em S.Martinho, celebraria D. Raimundo Miranda Henriques. O juiz dos órfãos, o vigário da vara, o capitão-mor e todas as famílias de Sintra enchiam a nave em dia grande no calendário litúrgico. Chamativo, o sino na Torre da Vila repicava. Francisca Aires, a filha Tomásia e Maria Lemos, viúva de Teodósio dos Santos, mesário da Santa Casa, foram as primeiras a chegar, roupa a condizer com a solenidade, recordando os que já estavam no descanso do Senhor.
-Que dia bonito! Nem parece Novembro! -comentou Tomásia para a mãe, dezassete anos incompletos e cabelo cor de azeitona.
-É o Verão de S. Martinho, minha filha! –lembrou a mãe, com a mantilha cobrindo os cabelos, também o marido se finara já.
D. Raimundo, há vinte anos pároco em Sintra, nomeado pelo cardeal D. José, uma vez mais cumpria o ritual dos sagrados mortos, o negro, farda da dor, por longos meses lembrava os que partiam para junto de Deus, só a esperança na redenção das almas ajudava a aliviar a perda. Em todas as casas havia um falecido a lembrar, uma novena para rezar, sepulturas para cuidar, vivos e mortos no temor a Deus.
-O Senhor esteja convosco! –cumprimentou à porta da igreja, fazendo o sinal da cruz, a muitos casara e baptizara os filhos.
Todos acomodados, deu-se início à missa, num latim imperceptível e abafado. Ajoelhados, os penitentes prometiam arrependimento, mea culpa, o esconjuro dos pecados. Pouco depois das nove, perorava D.Raimundo a homilia, num trepidar contínuo e incontrolável, a terra começou a tremer, um abalo forte e tombou o tecto, sucumbindo vinte fiéis sob escombros, perto da nave central. D.Raimundo, atingido por uma viga do altar-mor, morreu com o peito trespassado, sendo o altar num ápice consumido pelas velas. Os que puderam, fugiram, gritando, só parte da abside se aguentou. Ao segundo minuto, edifícios começaram a cair, arruinados, e um cenário apocalíptico e de fumo denso cobriu toda a vila.
A igreja da Misericórdia estava em escombros, a ermida de S. Sebastião ruiu, na Alpendrada, colarejas em pânico rezavam erguendo as mãos ao céu, enquanto galinhas e patos corriam desvairados. Lancinante, um cão uivava na base do pelourinho. Francisca Aires, caída na igreja, sangrava, um lenho pontiagudo quase lhe decepara a cabeça, ao lado, Tomásia, donzela e serena, jazia morta, o missal na mão e um santo em cacos junto ao peito.
Duraram os abalos seis para sete minutos, interrompidos por breves intervalos. Em todo este tempo um estrondo subterrâneo, qual trovão, soou ao longe. Escureceu-se o sol e exalações sulfúreas empestaram o ar. Por todo o lado abriram fendas na terra, qual Inferno abocanhando a Terra, para que Belzebu a todos sequestrasse e levasse para o mundo das trevas. Na igreja, criados de Maria Aires lograram encontrá-la viva, e descomposta a levaram para a casa do Arraçário, ou o que dela sobrara: animais mortos, pipas de vinho vertendo, viva entre mortos e morta para a vida. Ao longe, o mar encapelado galgava as arribas desmoronando-as como grãos de areia soltando um ruído ampliado pelo vento.
Em casa ou nas ruas, muitos outros foram vítimas da gadanha mortal e predador  armagedeão, e os gritos, alaridos e clamores, sucederam-se, num carpir lancinante e impotente. Ninguém cuidava senão de se salvar e pedir a salvação da alma. Trinta e seis mortos se contaram só na Vila, emboscados nas missas de finados, um fogo propagou na R. da Pendôa, cinzas e fumo toldaram as chaminés do Paço, de onde a guarnição desertou em pânico, deixando sete cavalos mortos no estábulo. Em menos de uma hora, o mundo desfigurava-se ante a violência dos elementos, terra e mar uniam-se contra os indefesos mortais, sem o adivinhar, as missas de finados tornavam-se de corpo presente no imenso cemitério em que a Vila e o Reino se transformava. Era Verão de S. Martinho.

Sem comentários:

Enviar um comentário