Follow by Email

sábado, 3 de novembro de 2012

A ressaca do protesto



-A desobediência civil é um direito dos cidadãos, reprimir é encarcerar a consciência, senhor agente. Palavras de Gandhi, já ouviu falar, ao menos? –explicou o Saraiva a um atávico polícia de bigode, ao ser libertado da prisão onde passara a noite com  colegas, após um protesto contra a troika. Manifestando-se irados, haviam sido removidos depois dum protesto frente à Assembleia, a força ganha com o engrossar de apoiantes levara-os a atear fogueiras, ameaçando dali não sair. O velho Saraiva, professor de Desenho, à volta dos sessenta, e mandado para a mobilidade, era o mais enérgico, nos anos setenta activo contra a repressão e agora contra a destruição das carreiras. Parando para o pequeno-almoço num café, a recuperar da noite no calabouço, retomaram a diatribe contra o poder, esse velho e familiar inimigo, comiciando entre meias de leite e cafés duplos:
-Um homem não deve desistir da sua consciência nem um único instante, pois senão para que é que ela serve? Devemos ser homens, nunca súbditos, amigos! Não podemos meter o respeito pela lei ao mesmo nível do respeito pelos direitos. A única obrigação que temos, é fazer a qualquer momento aquilo que julgamos certo. Costumava-se dizer que uma corporação só por si não tem consciência, mas uma corporação de homens conscienciosos já passa a ser uma corporação com consciência! –arengou o Saraiva, dando uma passa no cigarro. O Bruno, professor de História, foi desfiando, também:
- Sabem, enquanto estive naquela espelunca, fui observando as paredes e as grades, e não pude deixar de perceber a idiotice de uma instituição que nos trata como carne e osso apenas. Eles têm uma muralha mais difícil de vencer antes de conseguirem ser tão livres quanto nós - as nossas consciências! Nem por um momento me senti preso, sabem, as paredes são um desperdício. Não há paredes que confinem a força indomável dum homem livre!
No escaparate dum quiosque em frente, noticiavam-se escaramuças em Atenas, e até em Roma, Lisboa restolhava já nas ruas também, após o sussurro nos cafés e nos empregos. O Telmo, de Matemática, orgulhoso por ter sido preso, teve uma tirada que a todos agradou:
-“Anima-te por teres de suportar as injustiças; a verdadeira desgraça consiste em cometê-las.", dizia o Pitágoras. E maior violência não haverá que a violência das amarras, de fazer dos homens servos, da opinião rebeldia, ou da diferença ofensa? Onde está a democracia? Somos homens ou somos escravos?
-Meu caro, a democracia é algo que se tem de refundar todos os dias. Porque sendo a tentação do poder o seu maior inimigo, impõe-se mantê-la montando guarda às consciências, e tendo sempre como fronteira estreita a ignomínia que leva à perda da dignidade, e com ela da humanidade! -Abel falava como um tribuno, relembrando as épicas RGA’s da sua juventude, de novo rebelde com uma causa e vendo a história repetir-se, não como farsa, como o velho Marx profetizara, mas perigosamente como tragédia.
Nessa manhã, os trilhos da liberdade apareciam aos velhos compagnons de route cheios de escolhos, emboscados pelo assalto aos direitos, lançando a violência e esperando a mansidão do rebanho como resposta. O Portugal de 2012 era outro, mais individualista, na penumbra da net ou do Facebook, do cada um por si e para si, o 15 de Setembro, apesar do lento acordar ao som arrepiante do hino de Lopes Graça, não chegava, ainda. A Abel e aos amigos, mais que a afronta aos direitos, chocava a flacidez da resistência e a anemia de viver, um viver fatalista, vendo os jovens buscando futuro noutros lados, melancólicos conjugando os verbos desistir e partir. E o drama é que sabiam que não seria um golpe militar ou a simples convocação dos Abris adormecidos que fariam a diferença, desta vez. A ele e aos amigos, contaminados pela estirpe da resistência, adormecida mas alojada ainda, a disposição para a luta poderia ainda despertar os genes da esperança, guardados no cofre do idealismo, mas e aos outros? E a anomia perante as injustiças, a indiferença perante os direitos, a submissão perante os grilhões?
Com a roupa desalinhada, deambularam pelas ruas, levas de turistas e funcionários públicos caminhavam já pela cidade que acordava, solitária e povoada de caras consumidas, almas penadas do Portugal dos anos dez. Como esperançosamente lhes haviam vendido o futuro como um mundo tecnológico, com cápsulas espaciais e teletransporte, vida eterna e sem doenças, o admirável mundo novo de Huxley e do Star Treck, e como ironicamente se sobrevivia hoje sobre as ruínas da sociedade da abundância, no dealbar de novas pobrezas, injustas, desiguais, em nova pré-história da fraternidade e do sonho.
No Rossio, e com cara de poucos amigos, elementos do Corpo de Intervenção buscavam acampados da noite, insurrectos do megafone. Olhando de soslaio, os professores sem escola e agora órfãos de alunos, seguiram cabisbaixos e cansados, interiormente contentes, apesar de tudo. Não tinham salvo o mundo, as suas consciências salvariam ao menos. Já na Praça da Figueira, e passando o 28 para a Graça, Abel fez sinal aos amigos, acelerando o passo:
-Despachem-se, depressa! Com sorte ainda o apanhamos!

Sem comentários:

Enviar um comentário