Follow by Email

domingo, 22 de julho de 2012

De Utoya ao Colorado,a violência das armas


Passa hoje um ano sobre os repugnantes atentados de Oslo e Utoya e dois dias apenas  depois de um outro tresloucado ter abatido 12 pessoas em Aurora, no Colorado, o que coloca de novo a premência da discussão em torno do acesso e facilidade com que se adquirem e usam armas de fogo, muitas vezes proibidas mas cuja compra não é reprimida ou eficazmente controlada.
Nos Estados Unidos, a segunda emenda da Constituição garante o direito dos cidadãos americanos a terem acesso a armas, e o Supremo Tribunal tem sido tendencialmente a favor do seu uso e porte por civis, nas ocasiões em que surgiram tentativas para limitar o seu uso e aquisição em alguns estados e cidades.
Nos Estados Unidos há mais de 300 milhões de armas de fogo nas mãos dos cidadãos, e massacres, como o ocorrido em Aurora, no Colorado, prometem reabrir o debate sobre esse direito garantido pela Constituição.
O massacre de Aurora, onde um homem matou 12 pessoas e deixou mais de 50 feridos durante a ante-estreia do filme 'Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge', é o mais trágico desde o massacre de 33 estudantes na universidade Virgínia Tech em 2007, e aconteceu apenas a 20 quilómetros do massacre no instituto Columbine, onde dois alunos mataram 13 pessoas antes de se suicidarem em 2009, e que originou um premiado filme de Michael Moore.
Obama, que manteve o silêncio sobre a posse de armas durante todo o seu mandato, acredita que é preciso tomar medidas de bom senso que protejam os direitos da Segunda Emenda, assim como as limitações das vendas de armas de fogo presentes nas leis actuais, o que continua a adiar uma decisão clara num dos países mais violentos do mundo e onde a imagem do cowboy que atira primeiro e verifica depois ainda não saiu do imaginário e do código genético dos desbravadores da América. Ao contrário, desde 2009 o direito a possuir armas aumentou em algumas áreas, como nos parques nacionais e nos comboios da Amtrak.
No final de 2011, segundo a Gallup, 73%, dos americanos eram contra a proibição da posse de armas de fogo no país e apenas 26% eram a favor da proibição, sendo que há 20 anos esse número ficava em 41%.
Depois de Utoya, Aurora, Columbine e dos milhares de exemplos que diariamente pululam nos jornais, há que reforçar a luta pela limitação do uso de armas para fins violentos e que possam perigar outros direitos mais sagrados ainda, como o da vida e da segurança.

Sem comentários:

Enviar um comentário