Follow by Email

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tributo a João de Oliveira Cachado


Conheci o professor João de Oliveira  Cachado a 17 de Novembro de 2006, quando a ainda jovem Alagamares entendeu empreender uma campanha pelo restauro do então abandonado Chalé da Condessa d’Edla, no Parque da Pena. Técnico de educação e pedagogo, ligado anteriormente também à Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra, dele pudemos então escutar valiosas informações sobre o trabalho de campo já executado por essa escola em prol da reabilitação do local, e as suas ponderadas e fundamentadas palavras denotadoras dum vasto conhecimento das patologias e carências na recuperação da jóia da coroa, sangrando esfaqueada por supostos guardiães usurpadores e acossada pela incúria, para muitos provavelmente “romântica” até.
Desde essa noite, nasceu e consolidou-se um sentimento de respeito e consideração que nos aproximou civica e intelectualmente, tendo desde então mantido contactos regulares que se traduziram no acompanhamento das iniciativas tendentes ao restauro do chalé (e de que destaco, entre várias, a jornada cívica de 4 de Março de 2008, com a visita não autorizada de um punhado de sintrenses ao local ainda em ruínas, à cabeça dos quais se destacou Maria Almira Medina, foto abaixo) e posteriormente as denúncias em torno da usurpação dos jardins de Seteais durante o período de obras que afrontou a carta de aforamento de 1801, entre outras causas.
Presença frequente na imprensa local e na blogosfera, dele se ouviram e ouvem avisadas palavras e opiniões denunciando ou contestando a perpretação de atentados ou desatenções do poder em temas como o tanque de Seteais e as construções ali erigidas em zona sensível, a frustrada aquisição da Quinta do Relógio, o caravanismo selvagem no Rio do Porto, a falta de legendas explicativas em muitos dos locais simbólicos de Sintra ou a limpeza e falta de civismo que a consciência de todos convoca, como cidadãos, munícipes e sintrenses.
Melómano inveterado, entusiasta militante da Mozartwoche de Salzburgo, que nunca perde, perdendo-se no perfume inebriante da sua música, pedonal caminheiro dos “seis quilómetros à hora”, como a si próprio se define, Sintra habitou-se há muito à sua voz independente, construtiva, e acima de tudo, cidadã, duma estirpe que hoje vai rareando e nos relembra emocionados um José Alfredo ou um Francisco Costa, guerreiros da pena e príncipes da palavra, D.Fernando ou o Carvalho da Pena, os jardineiros de Deus.
No próximo dia 28 de Setembro, no momento em que a brisa da tarde e um derradeiro ressoar de cascos de cavalo quebrar o torpor e os silêncios da serra sagrada, regressando à vila, os homens, finitos e tangíveis, tratarão de se reconciliar exorcizando o Silêncio e saudando o Homem, momento em que a edilidade de Sintra irá homenageá-lo na Quinta da Regaleira, num merecido acto simbólico, felizmente certeiro, no  espaço e no tempo. Escreveu ele de si próprio:
“Sem dar muito pelo tempo que passa, a verdade é que há cinquenta anos que celebro a música constantemente, em directo, em Portugal e por essa Europa fora, especialmente, em Salzburg onde, há muito tempo, fiquei preso, perfeitamente cativo. De facto, tenho o incrível privilégio e o invejável poder de marcar a agenda da minha vida a partir dos compromissos musicais.
(…)No meu caso pessoal, não será preciso fazer um grande esforço para perceber como o melómano se confunde com o diletante, com o viajante, e, em certos casos, com o de peregrino, como acontece com Salzburg (tão especialmente, no Inverno, por altura da Mozartwoche) ou Bayreuth, sempre em busca do instantâneo momento em que Arte, Beleza e a centelha do Divino acontecem”.
Como escreveu Oscar Wilde, “Chamamos  Ética ao conjunto de coisas que as pessoas fazem quando todos estão a olhar. O conjunto de coisas que as pessoas fazem quando ninguém  olha ou repara, chamamos Carácter”.
Parabéns e continue, João Cachado! Sintra ainda tem Memória!

Sem comentários:

Enviar um comentário