Follow by Email

sábado, 29 de setembro de 2012

Bons e Maus Ladrões

O seráfico ministro das Finanças terminava mais uma sonolenta e aviltante fatwa contra o bolso dos contribuintes, Francisco, acabando o jantar já indisposto, apressou-se a mudar o canal para algo menos aterrador, um filme sobre tubarões brancos, no Discovery. De má em má notícia, apressou-se a abafar mais uma com um brandy que trouxera da casa do pai ,em Cantanhede. O toque da campainha anunciou a chegada do Edgar, colega do liceu e docente de História, para um serão já combinado. Oferecido um brandy velho, não negou, sentando-se na poltrona, frente à televisão, onde tubarões perseguiam peixinhos no Pacífico, os cortes dos subsídios ainda tema de conversa:
-Pois é Chico, ouviste o primeiro-ministro? “Democratizar a economia“, “devolver a confiança”...Já não há pachorra para estes tipos! Ainda por cima com aquele ar de aluno da catequese, saiu pior que o outro!
-Os dias que Portugal vive, a mim, fazem lembrar-me o Sermão do Bom Ladrão, do Padre António Vieira. Acho mesmo que vou falar disso aos meus alunos, nas aulas. 
-Padre António Vieira não é a minha praia, Chico, qual é esse sermão? - Edgar, interessado, ia saboreando o brandy como quem colhia sabedoria para a conversa:
-Hoje está muito esquecido,infelizmente. Os brasileiros chamaram-lhe Paiaçu, o Grande Padre, mas se releres o que escreveu, encontrarás muita actualidade nos seus escritos. Premonitórios, até! -levantando-se, Francisco sacou um livro da estante, enquanto na televisão um tubarão branco fazia mossa numa praia da Florida- Foi o homem que disse: “não me temo de Castela, temo-me desta canalha”. Erguendo o livro como uma preciosidade, apontou-o na direcção de Edgar: Acredita, este homem não foi um génio, foi oxigénio! –rematou, voltando para a cadeira, e um segundo brandy:
-A história é mais ou menos esta: pediu um ladrão a Cristo que se lembrasse dele no seu reino, e a lembrança que este teve, foi que ambos se vissem no Paraíso. Nem os reis podem ir para o paraíso sem levar consigo os ladrões, nem os ladrões podem ir para o inferno sem levar consigo os reis. A restituição do alheio não só deve obrigar os súbditos como aos seus senhores. E leu um pouco: "Cuidam ou devem cuidar alguns príncipes que, assim como são superiores a todos, assim são senhores de tudo, e é engano. A lei da restituição é lei natural e lei divina. Enquanto lei natural obriga aos reis, porque a natureza fez iguais a todos; e enquanto lei divina também os obriga, porque Deus, que os fez maiores que os outros, é maior que eles. Esta verdade só tem contra si a prática e o uso". Percebeste? Encriptada, aqui está uma grande verdade, e foi um português que viu mais à frente que o seu tempo que a disse, Edgar! 
O amigo, saboreando a bebida, meneou a cabeça em tom de assentimento, continuando a conversa:
-Quer dizer: roubar é tomar o alheio violentamente contra a vontade do dono; os que mandam tomam muitas coisas aos que governam, violentamente, e contra a sua vontade: logo, o roubo é lícito nalguns casos, porque, se se dissesse que quem manda, assim fazendo, age errado, todos eles, ou quase todos se condenariam a si próprios. Aliás, já S.Tomás de Aquino dizia que se os príncipes tiram aos súbditos o que por justiça lhes é devido para conservação do bem comum, ainda que o executem com violência, não é rapina ou roubo. Porém, se tomarem por violência o que se lhes não deve, é rapina e latrocínio. Donde que os que mandam, estão obrigados à restituição, como os ladrões, e pecam mais gravemente que os ladrões, quanto mais perigoso e mais comum é o dano com que ofendem a justiça de que são supostos defensores. 
-Nem mais, meu caro. Vês a actualidade desse texto? O mundo não mudou assim tanto, nestes anos….. Olha, gosto particularmente deste trecho: “os reinos são latrocínios, ou ladroeiras grandes, e os latrocínios, ou ladroeiras, são reinos pequenos”. Neste Sermão do Bom Ladrão, o Vieira conta um diálogo ocorrido entre um pirata e Alexandre Magno, rei da Macedónia que foi educado por Aristóteles. Navegava Alexandre pelo Mar Eritreu a conquistar a Índia, e, como trouxessem à sua presença um pirata que andava roubando os pescadores, repreendeu-o Alexandre por andar em tão má vida; porém, ele, respondeu assim:" Basta, senhor, que eu, porque roubo em uma barca, sou ladrão, e vós, porque roubais em uma armada, sois imperador? - Assim é. "O roubar pouco é culpa, o roubar muito é grandeza; o roubar com pouco poder faz os piratas, o roubar com muito, os Alexandres”-empolgado, Francisco lia em voz alta o livro com frases sublinhadas, seria uma matéria interessante para dar no segundo período.E continuou:
-Moral da história, Edgar? O ladrão que rouba para comer não vai para o inferno; os que vão, são outros ladrões, de maior calibre e mais alta esfera. Os ladrões que mais propriamente merecem este título são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, o governo ou a administração das cidades, os quais com manha e força, roubam e despojam os povos. Os outros ladrões, roubam os homens. Estes roubam cidades e países; os outros furtam com risco: estes sem temer, nem desplante; os outros se furtam, são presos: estes prendem e perseguem. 
-No fundo, o mundo é um mundo de ladrões. Adão e Eva não foram os primeiros, ao roubar a maçã? E Cristo ao morrer não o foi ao lado de dois ladrões, a quem disse, “hoje mesmo estareis comigo no Paraíso”? -Edgar surpreendia-se consigo mesmo, da cozinha Mena, a mulher do Chico, chegava com café e bolinhos.
-O mal é que hoje os ladrões são mais ainda, e estão bastante dissimulados. A maior parte até diz roubar para nosso bem! -rematou o Francisco. Cansado dos tubarões, mudou o canal com o comando, sem novidade, apareceu o ministro Gaspar, a anunciar novos cortes, para cumprir o memorando da troika.
-Estes canais hoje só dão programas com predadores...- atirou a Mena, com ironia, servindo mais um café.

Sem comentários:

Enviar um comentário