Follow by Email

terça-feira, 21 de junho de 2011

Senhora Presidenta

Foi apenas a 14 de Novembro de 1913 que Regina Quintanilha recebeu autorização do Presidente do Supremo Tribunal de Justiça para advogar, sendo esse o dia em que vestiu a toga dos advogados no Tribunal da Boa-Hora, em Lisboa. Foi ela a primeira mulher advogada em Portugal. Foi igualmente a primeira mulher a exercer as funções de Conservadora do Registo Predial e Notarial. Note-se que só em 1890 as raparigas foram autorizadas a frequentar os liceus públicos e só 16 anos depois  foi criado o primeiro liceu feminino. Em 1910, a escolaridade obrigatória era dos 7 aos 11 anos, mas para as mulheres estava normalmente destinada uma instrução elementar, não lhes sendo pedido mais do que as funções de mulher e de mãe. As mentalidades da sociedade portuguesa da altura não estavam preparadas para dar lugar às mulheres no exercício de profissões liberais.


Foram precisos muitos anos até surgir a primeira mulher no Governo, Maria Teresa Lobo, Secretária da Assistência em 1971 no Governo de Marcelo Caetano.

A primeira mulher ministra foi Maria de Lurdes Pintasilgo, Ministra dos Assuntos Sociais em 1974 e em 1979 a primeira mulher Primeira-Ministra ao presidir ao V Governo Constitucional. Em 1986 foi igualmente a primeira mulher a candidatar-se à Presidência da República.


Agora, que felizmente já muitas mulheres são ministras, militares, polícias, engenheiras, juízas, e há leis impondo a paridade nos lugares electivos, mais um acto simbólico mas importante: a primeira mulher presidente do Parlamento, Assunção Esteves

A Assembleia da República tem actualmente 27,4 por cento de mulheres (a média mundial é de 18,8 por cento), sinal da evolução entretanto ocorrida, embora seja ainda uma percentagem muito baixa em relação aos países nórdicos (42,1 por cento).  No meio da crise, uma boa notícia contudo.


Sem comentários:

Enviar um comentário