Follow by Email

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Reflexões na abertura da época de incêndios


Aproximando-se a época de incêndios( agora que se criou a infausta saison de fogos assassinos) algumas preocupações, antes de os noticiários começarem a abrir com as tradicionais notícias dos fogos, os remoques pela falta de limpeza das matas e as lágrimas de crocodilo sobre o sangue derramado.
2003 e 2005 foram anos anormais, e depois de algum trabalho feito nas estruturas nos anos seguintes, técnicos conceituados, como Francisco Castro Rego e António Salgueiro temem por retrocessos depois de com o projecto europeu Fire Paradox se terem definido algumas orientações estratégicas desde 2006.
É de temer o pior com o cancelamento do projecto do Grupo de Especialistas de Fogo Controlado (GeFoCo) que desde 2007 terão contribuído para conter mais de 50 fogos florestais, a tentativa de acabar com o Grupo de Análise e Uso do Fogo (GAUF) estrutura dedicada à prevenção e combate aos incêndios florestais, que nos últimos cinco anos combateram mais de 300 grandes incêndios, e a tentativa de suspender a regulamentação sobre o uso de fogo técnico. Igualmente, ao pretender-se parar o processo de enquadramento e facilitação da realização de queimadas para a pastorícia em épocas de baixo risco de incêndio, e ao não se prosseguir o investimento em conhecimento, estratégia e antecipação, transferindo 2 milhões de euros do Fundo Florestal Permanente para a contratação de meios aéreos para o combate, estarão em estudo soluções que podem não ser as mais adequadas ao caso português.
Como estamos de Plano Nacional de Uso do Fogo? Quantos meios estão ao dispor? Qual a estratégia de longo prazo? O Verão está aí, e com ele as brutais imagens do fogo destruindo floresta, ecossistemas e a economia.Com troika ou sem troika, assuntos suficientes para incendiar responsabilidades e alimentar telejornais quando o país estiver a banhos e agora que o futebol está (ainda) no defeso. A ver vamos...
Efectivamente, é bonito falar da floresta, do pinhal de Leiria, da serra de Sintra ou do Gerês. No terreno da realpolitik o que sucede porém? Segundo parece, aproximando-se o fim do quadro comunitário, apenas 1/10 dos 441 milhões de euros disponíveis foram executados, numa área intervencionada de 5478 hectares. A regulamentação das medidas previstas no PRODER é lenta e desde 2007 só foram reflorestados 2700 hectares, quando nos anos noventa períodos houve em que num só ano a reflorestação ultrapassou 30 mil hectares, dos quais 681 de carvalho e 341 de pinheiro, quando anualmente mais de 3,5 milhões de hectares são assolados pelos fogos.
Segundo o PRODER, a 31 de Dezembro de 2010 estavam aprovados 812 projectos, num total de 135 milhões de euros, mas apenas 5 milhões estavam pagos. No domínio da gestão de espaços florestais, os projectos aprovados correspondiam a 24% da dotação global. Tal ficar-se-á a dever ao prolongado período de regulamentação do PRODER, que- pasme-se!- só terá ficado concluída em 2008. Que anda o Ministério da Agricultura a fazer? Alem de que estão a ser exigidos no âmbito de processos altamente burocráticos planos de gestão florestal que cada agricultor candidato deve apresentar, planos esses que os próprios serviços não definiram o que querem que sejam, nem têm tido capacidade para os analisar.
Dias de perigo espreitam uma vez mais a floresta portuguesa.

Sem comentários:

Enviar um comentário