Follow by Email

sábado, 4 de janeiro de 2014

Cavadelas e Minhocas



Ia um reboliço na Praia das Maçãs, a retroescavadora tirava terras para as fundações quando chocou em algo compacto perto do tholos romano. Obtida a licença para a moradia, depois de três anos no Parque Natural, finalmente o Alves arrancava com a obra, mas ao segundo dia a máquina deparava-se com um obstáculo. Destapada a terra com enxadas, ficaram à vista três colunas de pedra com inscrições nos pedestais, atraindo o pessoal da praia.

As colunas tinham gravado figuras de mulher com uma túnica, de braços abertos para o céu e um halo com ramificações em cima, como se fosse um sol ou uma medusa, arte romana, pareceu ao João Rodrigues, um estudante de História que passou na altura. O Alves, pensativo, anteviu chatices, se aparecesse alguém da Câmara por certo pararia a obra, por causa dos achados, bem vira o que aconteceu em Almornos com a casa da filha, três anos parada por causa de uma lápide que o lunático do arqueólogo considerou valiosa, para ele boa para uma mesa na churrasqueira, isso sim. Continuando a escavar, mais colunas surgiram, coisa antiga, alvitrou o Alberto do Búzio, palitando os dentes. Logo mais artefactos, ânforas, a cada cavadela, uma minhoca. Preocupado, o Alves achou por bem guardar os achados antes que a notícia se espalhasse, e fez correr que ia levar tudo para o museu, para estudo, desviou os populares para uma rodada no Loureiro e mandou o Crispim e o Zé Luís, longe dos mirones, carregar as malditas pedras para uma carrinha. Meia hora e três imperiais depois, o tema de conversa era já o Benfica, o Rio Ave ia levar cinco secos, prometia o Alves, despachando os tremoços.

No local, com as máquinas paradas e o buraco escavado, passou entretanto a GNR, zelosa a perguntar pela licença. Faltava a placa com a identificação da obra, dizia um guarda com cara de reprovação, se não fosse afixada seriam quinhentos euros. O Crispim acatou, com o patrão no bar e as colunas na carrinha, tapadas com uma lona. Ah, e o capacete, sempre na cabeça, frisou o agente, antes de seguir para as Azenhas.

Retornado à obra, com os outros já dispersados, o Alves continuou a escavação, aparentemente sem mais sobressaltos, havia que dar fogo à peça, executar as sapatas e betonar rapidamente, as colunas diligentemente foram enviadas para um vazadouro, na Amora, onde seriam enterradas e cobertas de entulho. Como podia alguém dar importância a tralha daquela, ainda pensou o Alves, com ar de reprovação.

No dia seguinte, radioso, as máquinas avançavam, o Alberto do Búzio, passando a apanhar sol sondou o Alves:

-Então António, chegaste a saber o que eram aquelas pedras? Se calhar pertenciam àquela coisa do tôlo ou tólo, como chamam ao matagal acolá, os gajos lá de Odrinhas andam sempre à procura de lixo desse, ainda se viessem comer um robalo ao meu restaurante... - e partiu na direção do Barmácia, ganhara uma aposta ao Luís, com o resultado do Porto, e ia cobrar o seu tinto, que de manhã é que se começa o dia.

Pelo sim pelo não o Alves mandou colocar uma vedação à volta da obra, se aparecesse mais alguma coisa ninguém chegaria a aperceber-se, arriscava três anos com o processo parado num qualquer gabinete, o banco e os juros não iriam esperar, a ver se alguém já se governara com o tal tholos.

Entrementes, no museu de Odrinhas, Maria João, mestranda de Arqueologia, debruçava-se sobre uns manuscritos de Félix Alves Pereira, há meses que analisava estudos seus dedicados à presença romana na Praia das Maçãs, aventara-se mesmo a existência de um templo no alto da Vigia. O director do museu, Cardim Ribeiro também tinha obra sobre o assunto, Maria João cruzava documentos e ia juntando o puzzle. Nessa tarde, em grande excitação, entrou no gabinete do doutor Cardim, que trincava uma maçã reineta, e comunicou-lhe a descoberta:

-Professor, ou me engano muito, ou a localização do templo do sol não é bem na Vigia, como vaticinou o Francisco de Holanda, mas do lado oposto, junto ao atual mercado, veja aqui, os pontos cardeais estão mal assinalados! -e mostrou-lhe um papel vegetal onde desenhara localizações a partir dos estudos de Alves Pereira. Cardim poisou a maçã, leu o papel e ficou de olhos arregalados, finalmente podiam estar à beira de descobrir o lendário templo da Praia das Maçãs, o tholos era a ponta do icebergue.

-Veja professor, o Francisco de Holanda dizia que o templo seria um recinto circular implantado sobre uma plataforma de terra, sobre a qual se distribuíam 16 aras prismáticas organizadas em espaços regulares e com um disco solar raiado ao centro -continuou a investigadora - Porém, não é de excluir a hipótese de o desenho ser apenas aproximativo: as aras poderiam ser simples bases de uma colunata ou de estátuas, e em número de doze, o que permitiria supor o carácter astrológico do santuário. E repare, diz-se que era junto ao mar, mas o mar nessa altura chegava ao local onde hoje fica o tholos, o assoreamento pode explicar que esteja hoje onde está, aconteceu o mesmo à Torre de Belém!

-Maria João, os meus parabéns, creia-me, esta descoberta vai ser mais importante que os fósseis de Foz Côa! –gritou o professor Cardim, parecendo uma criança e o casaco já no braço a caminho da Praia das Maçãs.

Nos Foros da Amora, entre carroçarias podres e terras do túnel da Arrábida, as colunas do Alves descansam incógnitas por mais alguns anos, quando talvez voltem a ser descobertas e, quem sabe, lançadas ao mar, para não prejudicar alguma nova construção. 

Sem comentários:

Enviar um comentário