Follow by Email

domingo, 30 de junho de 2013

A hora da Croácia


Alguns anos após a fratricida guerra dos Balcãs, a Croácia prepara-se para aderir à União Europeia, moribunda manta de retalhos capturada por interesses onde o dos povos que a compõe não é, claramente, a prioridade.

Na década de oitenta, recordo como a Portugal pareceu que passado meio século de obscurantismo e na ressaca da agitação de 75, a entrada no Mercado Comum, como então se chamava à CEE, pareceu a redentora aceitação no clube dos ricos, donde choveria o leite o mel para estradas e hospitais, e graças ao qual alemães, portugueses, irlandeses ou italianos seriam irmãos eivados do escopo que era o bem comum e a integração económica e política. Recordo também uma manhã fresca de Agosto de 1980 em que, de mochila às costas, desembarquei na estação de Zagreb, vindo da opulenta Áustria, e em pleno período da guerra fria me deparei com uma cidade vazia, sem lojas ou bancos, néons ou marcas de roupa, e onde os mais jovens nos abordavam ávidos das nossas calças Levis que lá não vendiam, encerrados numa Jugoslávia marcada pelo omnipresente marechal Tito, recentemente falecido, e cujo retrato, novo ou velho, fardado ou à civil, dominava em todas as lojas e locais públicos, ele que entre o Oeste e o Leste impusera o não-alinhamento como terceira via e ficticiamente unira a Sérvia muçulmana e a sua Croácia cristã, e mais pseudo-estados encravados entre a Europa dos Habsburgos e o antigo império Otomano.

Era diferente essa Europa, como ainda o era o nosso rincão, embora a boleia da “Europa” surgisse como desígnio, encerrado o ciclo do mar e do Império.

Na véspera do dia em que a Croácia se prepara para entrar para o “clube”, talvez com a mesma emoção e ingenuidade com que nós entrámos num já longínquo 1985, e recordando esses dias em Zagreb e Rijeka, o desejo que as aspirações iniciais não terminem da forma como está agora a correr com os países ditos “ajudados”, e que a Croácia não seja o último que veio apenas para apagar a luz.

1 comentário:

  1. ---> Mais um país para ser vendido… vai ser um festim para muitos:
    - os 'patrioteiros-do-prego'.
    *
    *
    *
    ANEXO:
    Sem corte com os 'patrioteiros-do-prego'... não há sobrevivência!
    .
    .
    -> Mesmo depois de já terem sido estoirados mais de 200 mil milhões em endividamento... os 'patrioteiros-do-prego' (leia-se, os portugueses que estão a colocar Portugal no prego) continuam a falar em mais e mais despesa... não enquadrada na riqueza produzida!?!?!
    .
    -> Mais, para os 'patrioteiros-do-prego' já se vislumbra uma luz ao fim do túnel: "implosão da soberania, ou o caos" - federalismo...
    -> E mais, os 'patrioteiros-do-prego' não defendem uma estratégia de renovação demográfica (média de 2.1 filhos por mulher) - os 'patrioteiros-do-prego' gostam de se armar em parvinhos-à-sérvia [vide Kososvo]: dizem que a 'solução demográfica' está na naturalização de outros...
    .
    {nota: : os separatistas-50-50 não têm nada contra os 'globalization-lovers'... leia-se: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa}
    {mais uma nota: uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum. Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço}
    .
    .
    SE NÃO CORTAR COM OS 'PATRIOTEIROS-DO-PREGO', PORTUGAL NÃO VAI CONSEGUIR SOBREVIVER... resumindo e concluindo, SEPARATISMO-50-50!
    .
    OBS:
    - Nazismo não é o ser 'alto e louro'... mas sim a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!...
    Nota: é mais fácil apanhar um nazi do que um coxo -> os nazis desmultiplicam-se na busca de pretextos... para negar o Direito à Sobrevivência de outros... um exemplo: os nazis 'globalization-lovers'/(anti-sobrevivência de Identidades Autóctones) buscam pretextos... para negar o Direito à sobrevivência das Identidades Autóctones.
    - Pelo contrário, os separatistas-50-50 não têm um discurso de negação de Direito à sobrevivência de outros... os separatistas-50-50 apenas reivindicam o Direito à Sobrevivência da sua Identidade!
    {nota: há que mobilizar os nativos... que... possuem disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência}

    ResponderEliminar