Follow by Email

domingo, 3 de março de 2013

O Governo desleal



A vila é morena, e de vila em vila, cresceu, e se fez Cidade. E os cidadãos, despertos, viram que são afinal quem mais ordena, nas urnas e nas praças, e que aqueles a quem deram poder de para eles e por eles governar, violaram o mais sagrado dever para com o povo de que deveriam emanar: A LEALDADE.

Outrora, outros foram já desleais ao povo, de Cristovão de Moura aos Cabrais, de Leonor Teles a João Franco, fieis a castelhanas troikas ou a subterrâneos interesses, e como tal, a História lhes ditou destino, a negro e com cadastro. Hoje, legitimados pelo povo por via de voto capciosamente arrancado sob mentira e malícia, na rotativa alternância dos interesses. Não são novos os protagonistas, estão travestidos porém, eivados de aleivosa deslealdade, contudo.

Deslealdade para com o povo, o seu voto e as suas ansiedades.

Deslealdade para com o país, suas instituições e sua História.

Deslealdade para com a verdade, raptores do futuro e mandatários da miséria e desesperança.

No tribunal, a mentira é perjúrio, e motivo para processo e punição. Na política, parece ser virtude, e como crime compensa. A virtude da liberdade para ludibriar, sempre com a desculpa da pesada herança dos precedentes, ou dos gatos escondidos que, como virgens desfloradas, dizem ter descoberto, uma vez chegados ao poder.

Quem assim procede desmerece de ser português, e mais não é que títere no juízo do povo. Mas anémica e calculista é também a força dos que se dizem opor. Que pensar de uma democracia pensada apenas para a alternância mas sem alternativas? Que pensar dos que querem mudança mas não saem da sua zona de conforto ideológico? Que pensar, quando o povo se tem de pôr em marcha, mas é olimpicamente tratado como inorgânico e populista, quando o seu protesto não emana das chafaricas partidárias e seus ventríloquos?

A democracia como a conhecemos, tem os dias contados, porque o mundo em que nascemos, crescemos, e pelo qual lutámos desaba também. Por enquanto, não se sabe para onde vamos, perdidos entre grândolas ululantes e a busca de salvadores improváveis, reféns de economistas cinzentos ou demagogos impostos pelo Facebook. O futuro, definitivamente, já não é como era. É pior, e sob o signo da deslealdade.

Sem comentários:

Enviar um comentário