Follow by Email

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Patriotas e Nacionalistas




Por estes dias muito se tem falado de nacionalismo por oposição a patriotismo, numa tentativa de acantonar conceitos que se apresentam desfigurados em relação ao seu semântico significado.
Nacionalistas e patriotas são sinónimos em termos literais, contudo, pejorativamente tem-se vindo a colar a etiqueta de nacionalistas a quem rejeita o Outro, em benefício dum grupo nacional dito originário ou “puro”, e, mais recentemente, quem defende soluções que contestam as orientações ditas “internacionalistas” ou integracionistas da União Europeia.
Se quanto ao primeiro critério, esse nacionalismo se afigura doentio e segregacionista em função duma nacionalidade, origem étnica ou local de nascimento, já a colagem do rótulo de nacionalista a quem rejeita soluções decididas por directórios não eleitos e burocratas em Bruxelas me parece perigosa e escorregadia. Porque a União Europeia nunca foi exemplo de um processo democrático decidido pelos povos em eleições, os seus tratados refletem a força dos países mais fortes e cada vez mais a caminho de várias velocidades e orientações, sem com isso o cidadão europeu beneficiar do esperado bem estar, antes vindo a ser punido com doses de austeridade massivas que só afectam os cidadãos mas não a banca ou os grupos financeiros. Daí o Brexit, a revolta contra a UE de uma cada vez maior parte dos cidadãos e partidos na Polónia, Hungria, França e Grécia, e o desinteresse em aderir de países que a dado momento desejaram integrar esse espaço comum anunciado como de paz e progresso, como a Turquia ou a Islândia.
Não se pode meter tudo no mesmo saco. Se ser contra o diktat duma União europeia dirigida a partir de Berlim é ser nacionalista, então eu sou nacionalista. E sendo nacionalista, não faço mais que ser patriota. Da Europa das Pátrias.

Sem comentários:

Enviar um comentário