Follow by Email

quinta-feira, 2 de maio de 2013

E, quando a noite cai...





Ponto de encontro de tardes que se prolongam pela noite, testemunha e sentinela bem no centro de Sintra, o Legendary Café, ex-Tópico dos anos 80, berço do Utopia Teatro, nos 90, é hoje um bar-cripta povoado por ortodoxias sensoriais e heterodoxia de ideias e palco da pulsão das diferentes faunas que por lá se cruzam. A velha senhora esconjurando a solidão, uma fadista cuja carreira passou ao lado, jovens da geração recibo verde, e outros sem recibo sequer, alcoólicos anónimos e outros conhecidos, eis um plateau de vidas cruzadas entre o teclado dum providencial portátil, o dedilhar hesitante em descobertas guitarras, o silêncio dum abafado, ou tão só o curtir amigos e amores na penumbra da sala esconsa, por entre os cafés ou as tostas mistas que enxugam as bebidas com que invariavelmente se salva o mundo ao fim da tarde ou da noite.

Ensaiam-se canções, rasuram-se ideias, estudam-se compêndios por entre espreitadelas ao Facebook, de prevenção no bar, o Fred, a Joana e a Vanessa reabastecem as gargantas de figurantes da Vida preparando as solércias com que prometem surpreender em futuros palcos os personagens espectrais e lunares da Sintra de 2013. 
Generosidade, voyeurismo, convívio, cumplicidade, à sombra centenária da serra e do paço próximo, eis o Legendary Café, cronológico poiso de espeleólogos de almas, faunos noctívagos e  pirilampos guardiões, verbalizados cultores da palavra ou sacerdotes dum finistérrico silêncio. 



Sem comentários:

Enviar um comentário