Follow by Email

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Hotéis na Vila Velha

Enquanto se ultimam as obras do novo Boutique Hotel , em frente ao Palácio Valenças, tempo para reflectir sobre 2 casos paradigmáticos do que não deveria ter ocorrido em termos de hotelaria na Vila Velha.
Uma situação é a do Hotel Tivoli, "mamarracho" inaugurado em 1980. Antes era o Hotel Nunes (foto abaixo), construído no local onde em 1850 ficava a Pensão de Bragança, edifício mais integrado na ambiência da Vila. Mentalidades impregnadas dum estranho conceito de "progresso" permitiram esta alarvidade de 4 estrelas.
Mesmo em frente, pior ainda, e sem estrela nenhuma. Se no caso do Hotel Netto este não foi ainda demolido, é desolador e vergonhoso o estado do mesmo. Os anos passam e a situação permanece inalterada, vergonhoso postal para os turistas que frequentemente elogiam as belezas de Sintra mas lamentam o mau estado de conservação do seu património edificado.

Num caso como no outro, más soluções. O novo hotel que se anuncia para a Av.Visconde de Monserrate também não esteve isento de polémica, embora a solução final à primeira vista pareça equilibrada, ante a perspectiva de mais uma ruína ou mamarracho tumefacto em pleno Centro Histórico. Felizmente nem tudo são más notícias, e Seteais e o Lawrence aí estão para dar nota positiva no que respeita a qualidade e requinte. O problema maior é o do mercado intermédio, com pouca oferta na área do residencial, e, sobretudo, ainda hoje vítima do confronto directo com Cascais, com maior oferta na área das diversões, vida nocturna, comércio e transportes.
Só uma alavancagem que contemple todos estes factores pode criar apetências para o desenvolvimento da hotelaria e aí, talvez alguém se interesse pelo Netto e se lembre de dar uma lavagem de cara na fachada do Tivoli, que é a única coisa que se pode fazer hoje, visto a volumetria estar de vez comprometida. 


Sem comentários:

Enviar um comentário