Follow by Email

terça-feira, 1 de outubro de 2019

China, dentro da Muralha



Escreveu um dia Alain Peyrefitte que quando a China despertar, o mundo tremerá. Setenta anos depois da proclamação por Mao Tsé-Tung da Republica Popular da China, que hoje se assinalam, o gigante adormecido está cada vez mais acordado e presente no mundo globalizado, com expressão mais recente no novo projeto da Rota da Seda com que deseja afirmar uma dominação imperial, embora só fora de portas.

Até aqui chegarmos, a uma China de capitalismo de Estado e afirmação tecnológica, houve a anexação do Tibete, a luta contra o Kuomintang, 45 milhões de mortes entre 1958 e 1961, principalmente por causa da fome, e entre 1 e 2 milhões de proprietários de terra executados sob a acusação de serem "contrarrevolucionários". Nos anos sessenta, a Revolução Cultural, uma das maiores tragédias do século XX, afirmou um modelo comunista diverso do soviético, que só se esbateria com a morte de Mao, em 1976, e a prisão do Bando dos Quatro, feitos bodes expiatórios dos excessos desses anos de fanatismo. Deng Xiaoping rapidamente arrebatou o poder ao sucessor de Mao, Hua Guofeng, e embora nunca tenha sido chefe do partido ou do Estado, foi o "líder supremo" de fato da China na época e a sua influência dentro do Partido levou o país a importantes reformas económicas e à criação de pontes com o Ocidente, materializadas com a politica de "um país , dois sistemas", adotado a quando do regresso de Hong Kong e Macau à China. Posteriormente, o Partido Comunista afrouxou o controle governamental sobre a vida dos cidadãos e as comunas populares foram dissolvidas, sendo que muitos camponeses receberam arrendamentos de terras, aumentando os incentivos para a produção agrícola. Estes eventos marcaram a transição da China de uma economia planificada para uma economia mista com um ambiente de mercado cada vez mais aberto, um sistema chamado por alguns de socialismo de mercado e que o Partido Comunista da China oficialmente descreveu como "socialismo com características chinesas", e que tem vindo a permitir que o Império do Meio seja hoje já dominante a nível mundial. Mas se a economia passou de socialista a capitalista de Estado quase sem se dar por isso, a democracia não acompanhou o fenómeno, com os eventos da Praça Tiananmen em 1989, a perseguição aos dissidentes e a falta dum sistema democrático e plural  o demonstraram.
Quando passam setenta anos da gloriosa jornada rumo a um socialismo que nunca existiu, falta à China a abertura à democracia, o respeito pelos direitos humanos e sociais, baseados em trabalho escravo, o respeito pelo ambiente, marcado pela delapidação dos recursos naturais e a afirmação da força da repressão contra a força da razão, ante um mundo salivante e temeroso de afrontar esse mercado e fonte de financiamento muitas vezes obscuro e sem regras. Abertura económica e política, é algo que tarda em despertar para lá das pedras da Grande Muralha.





Sem comentários:

Enviar um comentário