Follow by Email

terça-feira, 24 de setembro de 2019

A serra enquanto redenção


Visitar Sintra não é só realizar um mero roteiro cultural, impõe-se, sobretudo, como uma experiência sensorial. Importa ao visitá-la, ver as pedras para lá das formas, ouvir e deixar-se inebriar pelo silêncio, esse direito não consagrado nos códigos, encetar um regresso à terra e ao solo húmido e orvalhado. Ali pairam os fantasmas de improváveis faunos, líricas condessas e nórdicos príncipes numa ópera dos sentidos, ali se capta o imenso e melodioso cântico que só o silêncio propicia.
Em Sintra são inesgotáveis as palavras por escrever, as esculturas por esculpir e os sonhos por idealizar, por entre a parafernália do clorofila e odor. Apressados visitantes não verão os etéreos faunos, mas eles lá estão, tocando flautas de Pã, não verão gamos e bambis, mas traquinas pulam no bosque, bebendo nos lagos, não verão fadas, igualmente, mas felizes esvoaçam sobre a Pena, até uma holográfica Elise espreita do alto das pedras atlantes, e sorri. Em Sintra é preciso sentir, para então ver, e só então se passará para Shangri-La, paraíso de melódicas sinfonias de verde onde os deuses plantaram o seu Jardim.
Em Sintra, a felicidade é possível, primeiro como aguarela, depois como emoção, em catártica e eterna redenção.

Sem comentários:

Enviar um comentário