Follow by Email

sexta-feira, 2 de março de 2012

Os tortuosos caminhos para a liberdade

As primaveras árabes estão como a nossa, anormais, tacteantes e sem certezas de que uma solução democrática e participada venha a ser o corolário das ansiedades da  rua árabe. 
Vem isto a propósito de um caso ilustrativo do muito que há a fazer ainda na afirmação do Estado de Direito e da tolerância em muitos desses Estados, alguns tentando por operações de cosmética mostrar uma suposta abertura mas sem que tal se reflicta nas práticas e no exercício do poder ou alterando o status quo: Aayat Al-Qormozi (foto acima) uma estudante de 20 anos da Universidade do Bahrein,  quando participava num comício pró-reforma na capital do Bahrein em 2011,leu um poema escrito por si no qual  criticava o rei e o primeiro-ministro daquela monarquia do golfo. Foi obrigada a entregar-se à polícia, depois de homens encapuzados terem revistado a casa dos seus pais e ameaçado de morte os seus irmãos. Na prisão foi espancada e torturada, até ser forçada a assinar documentos e a gravar um vídeo em que pedia desculpas ao rei, vídeo que foi mais tarde transmitido na televisão nacional do Bahrein.

A Amnistia Internacional pretende que a sua condenação seja anulada e que qualquer outra acusação pendente seja retirada, tendo em curso uma petição, cuja assinatura se recomenda.

 Longo e tortuoso é o caminho para a liberdade.


Sem comentários:

Enviar um comentário