Follow by Email

terça-feira, 13 de março de 2012

20 perguntas sem resposta em Sintra



Se o quotidiano de Sintra é marcado pela tensão entre a serra e suas faldas e os suburbanos depósitos de gente que como tumor cercam a vila ainda incólume, nesta muito ainda há a fazer, e para tanto, aqui se deixam algumas perguntas às quais, creio, muitos sintrenses gostariam de ver serem dadas respostas. A saber:

1-Por onde anda o fontário que durante anos adornou o largo junto à Correnteza e que misteriosamente desapareceu sem ter sido reposto ou dada explicação para o ocorrido?

2-Porque é que não há uma revista cultural à semelhança da saudosa “Vária” que deixou de ser publicada sem se ter encontrado um substituto adequado?

3- Porque demora a aprovação do novo Plano de Groer, bem como do Plano da Praia das Maçãs?

4-Para quando uma homenagem no Parque da Pena a Carlos de Oliveira Carvalho, seu administrador florestal durante mais de 30 anos?

5-Para quando a atribuição do nome de M.S.Lourenço, escritor e filósofo nascido em Sintra e falecido em 2009 a uma rua na freguesia de S.Martinho?

6-Para quando a recuperação das casas arruinadas no Rio do Porto?

7-Para quando a abertura do Hospital da Misericórdia na Vila?

8-Para quando a abertura de um parque de campismo e uma pousada de juventude, que há anos fazem falta em Sintra?

9-Para quando a introdução de acessos adequados para deficientes em todos os monumentos de Sintra?

10-Para quando a criação de contratos-programa para parcerias estratégicas entre as entidades públicas locais e as associações e agentes culturais locais?

11-Para quando uma digna homenagem a João Melo Alvim, hoje já um dos decanos da vida cultural local e no ano em que o Chão de Oliva assinala o 25º aniversário?

12-Para quando a recuperação museológica dos monumentos romanos no Vale de S.Martinho, à saída de Sintra para Lourel?

13-Para quando a revitalização do Instituto de Sintra que tão boas provas deu já no passado?

14-Para quando a revitalização com apoio das associações locais do subocupado Centro de Arte Moderna, agora que perdeu a colecção Berardo?

15-Para quando a recuperação do Hotel Netto, verdadeira gangrena em pleno centro histórico?

16-Porque não instalar um Centro de Estudos do Romantismo em Monserrate?

17-Para quando um fundo de apoio à cultura com uma percentagem da cobrança das coimas e taxas provindas das actividades económicas, gerido em cada freguesia pela respectiva junta?

18-Para quando uma campanha agresssiva de combate aos tags que vandalizam o património público e privado e dão uma imagem de incúria e desleixo?

19-Para quando a criação de hortas comunitárias em muitos baldios, agora que se propugna o regresso à terra?

20- E, por fim, e para já, porque não submeter os abates e podas agressivas de árvores ao parecer vinculativo dum Conselho Municipal de Ambiente onde tivessem assento as instituições e representantes das comunidades locais?

5 comentários:

  1. Concordo com as perguntas e ficamos a aguardar as respostas que surgirão mais tarde ou mais cedo. Acredito eu.

    ResponderEliminar
  2. Eu penso muito sinceramente que as respostas a estas perguntas têm de ser dadas pela sociedade, ou seja, por todos nós que queremos e lutamos por uma Sintra melhor, mais cidadã, mais digna e sem clichês. Eu penso ainda que existe em Sintra um grupo de pessoas que unidas pelas mesmas causas tornariam mais visíveis, credíveis e construtivas as respostas a estas 20 e a muitas outras perguntas. Não obstante, Parabéns a ti, Fernando, por teres a coragem de as formular, publicar e divulgar.

    ResponderEliminar
  3. Pertinentes perguntas, Fernando, parabéns. Mas porque há tanto silêncio como resposta? Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Meu Caro Fernando, quantas destas pertinentes questões não têm sido objecto de luta ao longo de anos e anos? E que resultado obtivemos? Tanto, tanto é o meu desalento que, hoje em dia, tenho o maior pudor em intervir civicamente na medida em que arrisco verter a amargura que me corroi. Não que não considere que terá deixado de valer a pena lutar. No meu caso, porém, foi-se o ânimo e, infelizmente, em terreno perversamente propício, instalou-se uma descrença com a qual não quero contaminar seja quem for. Um enorme e sincero abraço

    ResponderEliminar
  5. É lamentável que não haja ninguém (poderes locais eleitos) disposto a dar estas respostas, facto que se tornou tradição por estes lados.No mínimo é uma falta total de respeito por quem os elegeu e também por todos sintrenses.

    ResponderEliminar