Follow by Email

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Uma gramática do prazer


Cidadão do mundo, e frequente retirante em Sintra, Luís Filipe Sarmento é um escritor do Prazer e por prazer, espelhando os nossos dias sem umbiguismo diletante mas onde o Espelho está sub-repticiamente presente.

Destaque para o seu recente livro Como um Mau Filme Americano, onde o jogo de sedução entre um pintor americano de meia idade e uma jovem com trinta anos menos é o ponto de partida para um jogo que Pirandello não desdenharia, e onde autor, narrador e personagens são avatares de estados de alma, quiçá o de um deles, ou, quem sabe, de nenhum.

A arte, a liberdade, o prazer, tudo se joga numa história onde o kitch roça o sublime num desfiladeiro de incertezas e verdades tudo menos absolutas, e onde tudo se sucede como se o computador fosse um ecrã onde do lado de lá os personagens fluem e por vezes se rebelam contra o rumo do autor e dum alter ego maniqueísta chamado narrador, manobrando o que poderia ser o enredo de um mau filme americano mas também um excelente filme de tradição francesa.

Ao longo da história vêm à memória Marlene Dietrich e o seu Anjo Azul, Rotko e as suas inseguranças, Henry Miller e Annais Nin, Woody Allen, sempre, um espaço contaminado por lugares comuns que desembocam em surpresas constantes, tal como o fim, igualmente surpreendente.

Um livro de cor anil, como anil é o período artístico do personagem, a que não falta, provocatória, a cena recorrente duma ex-mulher enciumada( há sempre uma ex-mulher, e não precisa de ser um filme americano…) e a masturbativa trama da construção dum novo quadro, o da materialização do prazer, no fundo, a sagração do fetiche. Um livro a ler dum autor  enredado numa gramática dos sentidos.

Sem comentários:

Enviar um comentário