Follow by Email

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Parabéns, Rui Mário!



Conheci o Rui na Primavera de 2005 nas Caves de S. Martinho, mítico café de Galamares, hoje fechado, onde um mês antes nascera a Alagamares, sob o impulso de 46 entusiastas. Procurávamos quem declamasse poesia num evento de apresentação da nova associação, após um dia de actividades que envolveria visita a Monserrate e jantar, e alguém nos falou dum grupo de jovens actores, entre eles o Rui Mário e o Pedro Hilário, músico e inseparável companheiro, que logo se disponibilizaram para o efeito.
Do Rui retive logo a imagem dum ser apaixonado pelo seu trabalho, pela representação como dádiva, e do teatro como palco de vida, e nasceu uma amizade feita de diversas partilhas, duma forte ligação pessoal e do Tapafuros com a Alagamares, vertida nas noites de poesia no 2 ao Quadrado ou no Legendary, nas cinco oficinas de teatro por si orientadas para a Alagamares, das colaborações sempre pro bono que nunca nos recusou, de modo a considerá-lo não só um grande amigo mas um compagnon de route, fosse nos eventos na penumbra da Regaleira, nos bares e palcos de Sintra ou nas longas noites de conversa mole e líquida…
Sintra tem os seus ícones históricos, mas também formiguinhas laboriosas que vivem fazendo Cultura e fazem Cultura vivendo. E nos últimos anos, com Rui Mário, angustiado Ser mas seguro Mestre dando instruções e atento aos detalhes, (criar sonhos também é feito de muitos pesadelos), invisível arconte e alquimista na noite escura, atrás das árvores da Regaleira ou do Parque da Liberdade conduzindo aflitos mortais na valsa lenta de Ser/Fazer Teatro, colocar máscaras e construir sombras, convocando para a grandeza das fragilidades que só o Teatro, vivo e próximo, cúmplice e agrilhoante permite, assim invadindo e alimentando públicos, ávidos e fáceis no aplauso umas vezes, avaros na presença ou no incentivo outras. Com Rui Mário, o teatro é a Vida- um libelo de resistência, a sobriedade da loucura, a poção do druida que a todos tonifica e fortalece.
Ontem como hoje, o sonho continua! Parabéns, Rui!





Sem comentários:

Enviar um comentário